Delta acaba de lançar a alQimia

Uma máquina do café que quer ser uma obra de arte
A guerra das máquinas de Café com cápsulas tem novo episódio. 

A DeLta acaba de lançar a aLQimia, aproveitando a época natalícia. Num mercado em que a concorrência promete simplicidade a preços baixos, 

a Euro RSCG opta por uma linguagem de sofisticação para vender a aposta da família Nabeiro.


 

Um crítico de arte convencido de que descreve uma obra prima é interrompido por um jovem que, de forma descontraída, simples, prática e rápida, decide tirar um café.
Este é o ponto alto do filme de TV da campanha publicitária criada pela Euro RSCG para promover o lançamento da nova máquina de café expresso da DeIta Q, alQimia, 100% automática e 100% inteligente’ Este novo produto do departamento de investigação e desenvolvimento da marca, que prima pela eficiência energética e pelas suas propriedade distintivas para extracção de café e tisanas em cápsula”, segundo a marca, tem capacidade de

aquecimento de chávenas e uma grelha de botões que lhe permite retirar bebidas até 180

cl.

A alQimia permite a extracção de tisanas em cápsula, um processo facilitado pelo

tabuleiro que roda 90 graus que permite a utilização de chávenas e copos de maior

dimensão.

Disponível em preto e branco, a máquina tem dois reservatórios de água laterais,

amovíveis, retro-iluminados e personalizáveis em várias cores. 

Tudo isto é comunicado através de uma campanha multimeios — “a maior do ano

da marca de cafés’ diz a DeIta Q, escusando-se a revelar quanto 

— cujo conceito criativo, desenvolvido sob a direcção de Pedro Magalhões (redacção de Nuno Loução e direcção de conta de Tita Martins), resulta 

de um misto de ciência e sonho proveniente da designação alQimia e do designde inspiração hi-tech da nova máquina. O resultado é a revelação 

do “novo equipamento ao estatuto de verdadeira obra de arte”, define a empresa lançada em 2007 e gerida por Rui Miguel Nabeiro.

 

O anúncio de TV foi realizado por Pedro Amorim, com direcção de fotografia de Ricardo Prates, produção executiva de António Maltez e produção de Inês Ferreira. A chefe de produção foi Mariana Barbosa Pereira e a pós-produção esteve a cargo de Tiago Fezas Vital e da Lightfilm. Já a sonorização foi da responsabilida da Som de Lisboa.
A campanha está disponível em televisão ( sinal aberto e cabo), com dois spots de 30 e 15 segundos, imprensa, Outdoor, Internete ponto de venda, meios que permitirão à Delta Q ultrapassar os 15% que pesava, em Junho, na facturação total do grupo Delta e aumentar a quota de 30% num mercado tripartido entre as duas marcas da Nestlé. Isto, mesmo com a máquina do Pingo Doce à perna, com preço competitivo e campanha na TV e tudo...